s sistemas de ar condicionado não são um veículo de propagação do novo coronavírus (Sars-CoV-2). Quem garante é a Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado (Apirac).

O presidente da entidade patronal, Fernando Brito, disse que as informações contrárias não têm base científica e defende que o ar-condicionado não deve ser desligado durante a pandemia de covid-19, a mais grave emergência sanitária da história contemporânea.

“Quer na informação dada pela Organização Mundial da Saúde (OMS), quer na das outras entidades globais e europeias que tratam desses assuntos, em nenhum lado li que se deve desligar esses aparelhos”, ressaltou o dirigente.

Por esse motivo, num comunicado divulgado na semana passada, a associação portuguesa reiterou que “é completamente falso que o ar-condicionado transmite a covid-19”.

A ventilação é mais importante do que nunca e, ao contrário, os condicionadores de ar “são uma arma para combater a doença” respiratória, afirmou a Apirac.

Devido ao estresse térmico, “desligar os aparelhos de ar condicionado pode representar um risco para a saúde das pessoas”, disse Brito.